As possibilidades de interação entre humanos e o mundo digital acaba de romper uma nova barreira: cientistas da Universidade de Wits, em Joanesburgo, na África do Sul, conectaram um cérebro humano à internet pela primeira vez na História. O projeto recebeu o nome de Brainternet e basicamente faz do cérebro um dispositivo de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês).

Apesar da complexidade desse tipo de ação, a sua execução é relativamente simples. Os pesquisadores alcançaram o feito coletando sinais de eletroencefalograma emitidos por um dispositivo acoplado à cabeça do usuário. Após serem enviados para um computador Rapsberry Pi, os dados da atividade cerebral são transmitidos em tempo real em uma interface de programação que pode ser conferida por meio de um site na web em qualquer lugar do mundo.

A ideia dos pesquisadores é que, no futuro, isso seja utilizado para fornecer dados para algoritmos de aprendizagem de máquina, ajudando a desenvolver sistemas de inteligência artificial. Até mesmo alguma interação é esperada graças à interface de conexão entre computador e cérebro humano. “No futuro, poderá haver informação transferida em ambas as direções — entrada e saídas do cérebro”, afirmou o professor da Faculdade de Engenharia  Elétrica e da Informação de Wits Adam Pantatowitz.

“Os pesquisadores esperam que, em breve, algum tipo de interação entre cérebro humano e computador seja permitido graças a essa nova interface”

As possibilidades futuras deste tipo de ferramenta incluem ainda uma compreensão maior e mais precisa da forma como o nosso cérebro funciona — tudo de forma mais simples.

“A Brainternet é uma nova fronteira nos sistemas de interface cérebro-computador”, declara Pantatowitz. Há uma ausência de dados de fácil compreensão sobre como o cérebro humano funciona e processa informação. A Brainternet busca simplificar a compreensão que uma pessoa tem do seu próprio cérebro e do cérebro dos outros.”

Artigo TecMundo